Projetos de Pesquisa
Conflito, Violência e Pacificação

The Brazilian perspective on nuclear governance mechanisms

Coordenação: Mônica Herz

There is mounting concern in the international community on the positions of emerging powers in the field of international peace and security and the Brazilian governments have become more vocal regarding peace and security issues and governance mechanisms. The changes to security governance mechanisms in the nuclear field which have been taking place since the end of the Cold War and the increasing interest in nuclear technology, nuclear energy development and international security in Brazil demand more investment in an understanding of the Brazilian position and more debate about these security governance mechanisms among relevant players in this same country. Furthermore an understanding of the nuances of the Brazilian nuclear policy will become increasingly relevant for international policy making. Thus this project aims to produce knowledge and debate about the actors and processes that generate the position adopted by the Brazilian governments on this theme and produce a better understanding of the nuances of the nuclear debate in Brazil. This will allow for better communication between Brazil and other actors involved in the nuclear debate.

O Brasil e as práticas de construção da paz

Coordenação: Paulo Luiz Moreaux Lavigne Esteves

Nos últimos 20 anos as contribuições das chamadas potências médias para as operações de manutenção da paz experimentaram significativo crescimento. De fato, a contribuição de países emergentes como o Brasil é cada vez mais relevante para as práticas de manutenção da paz. Contudo, cabe indagar acerca da natureza do engajamento brasileiro bem como de suas consequências, tanto no que se refere à política externa brasileira, quanto no que respeita às práticas internacionais de manutenção e construção da paz. Quais são as práticas e resultados do engajamento do Brasil em Operações de Manutenção da Paz? Essa indagação geral orienta a formulação da presente proposta. Este projeto pretende avançar esta agenda de pesquisa, trazendo para o centro de suas indagações as seguintes questões: (i) Quais são as principais transformações nas práticas multilaterais de estabilidade e de consolidação da paz desde o fim da guerra fria? (ii) Como o Brasil respondeu às transformações das normas e práticas de estabilização e de consolidação da paz pós-conflito? (iii) Quais são os padrões brasileiros de envolvimento em operações de paz e qual é o papel que o país está desempenhando na MINUSTAH em termos de práticas de estabilização e de consolidação da paz? (iv) Quais são as implicações mais amplas da participação do Brasil na MINUSTAH para sua política externa em matérias de segurança, ajuda humanitária e do desenvolvimento? Além dessas quatro questões, o projeto pretende, finalmente verificar em que medida as práticas de pacificação empregadas pelo Estado brasileiro foram transferidas do ambiente externo para o ambiente doméstico. Trata?se de uma questão exploratória que explora a aparente simultaneidade das práticas brasileiras de pacificação no Haiti e no Rio de Janeiro.

O Brasil e a segurança no Atlântico Sul: Política Externa e estratégia de defesa

Coordenação: Kai Michael Kenkel

Os principais objetivos do projeto são: 1. Fortalecer os vínculos entre instituições de ensino civis e militares, de forma a alimentar a produção e o intercâmbio de conhecimento sobre a interação entre as políticas externa e de defesa; 2. Capacitar alunos de pós-graduação especializados em questões de estudos de segurança, defesa nacional, cooperação internacional, política externa, e operações de paz em regiões prioritárias para a política externa e política de defesa do Brasil, com ênfase na África, sem entretanto excluir o acompanhamento sobre os interesses exógenos nessa área; 3. Alimentar a produção acadêmica individual e colaborativa sobre as dinâmicas de segurança, defesa, cooperação, e operações de paz dentro e no entorno do Atlântico Sul. As linhas de pesquisa, descritas na próxima seção da proposta, são formuladas de forma a aproveitar as especialidades e conhecimento complementares das instituições participantes, inclusive as pesquisas e publicações já desenvolvidas até agora sobre o Atlântico Sul, cooperação brasileira na África, atuação do Brasil na Antártica, e operações de paz. 4. Criar, desenvolver e consolidar uma rede internacional sobre o tema do projeto, integrando Instituições brasileiras e do Atlântico Sul, Centros de Pesquisa e Empresas do Setor. O projeto ainda conta com a participação dos professores Carlos Chagas Vianna Braga e Claudio Rogério de Andrade Flor, da Escola de Guerra Naval. Também fazem parte do projeto quatro alunos bolsistas do Mestrado e Doutorado das instituições participantes.

Global South Unit for Mediation - GSUM

Coordenação: Mônica Herz

O Global South Unit for Mediation (GSUM) é um centro já existente e com atividades em andamento desde Novembro de 2013 com o objetivo geral de explorar o crescente envolvimento de atores do Sul Global no campo teórico e prático da mediação internacional a partir do desenvolvimento das habilidades práticas e analíticas desta região. Entre as suas atividades de fomento e capacitação para mediação estão (i) workshops para profissionais e acadêmicos; (ii) eventos abertos para toda a comunidade; (iii) Escola de Inverno de mediação que contará com alunos e professores de diversos países; (iv) o programa de Fellows, que já selecionou para o ano de 2014 três especialistas de países do Sul Global para atuar nas atividades da Unidade por dois meses; (v) e, finalmente, o Reader sobre mediação internacional em português, que visa desenvolver habilidades analíticas e práticas relativas à mediação internacional entre estudantes e profissionais de diversos ramos das Relações Internacionais. Nesse sentido, este livro oferece uma seleção de textos básicos sobre o tema que serão traduzidos com dois objetivos fundamentais: primeiramente, difundir o conhecimento em português acerca da mediação internacional entre estudantes, educadores e profissionais do Sul. Em segundo lugar, pretende-se estimular o debate e o pensamento da técnica a partir do “Sul Global”, criando uma cultura de mediação que seja não apenas consumida, mas produzida e pensada a partir de perspectivas locais.

Centre for Resolution of International Conflicts (CRIC)

Coordenação: Anna Grudun Christina Leander

Centre for Resolution of International Conflicts (CRIC) is a research center organized as a cooperation between researchers from different disciplines at the University of Copenhagen, Copenhagen Business School, Aarhus University, Aalborg University and the University of Southern Denmark.

As potências emergentes e a reforma do Conselho de Segurança: O papel do uso da força no exercício da responsabilidade internacional

Coordenação: Kai Michael Kenkel

Com o fim da Guerra Fria, abriu-se a enraizada bipolaridade para o surgimento de um mundo multipolar e a emergência de novas potências no cenário mundial. Muitos desses Estados emergentes, como o Brasil, baseiam sua subida em poder econômico; porém, a institucionalização de seu novo status se dá em grêmios, como o Conselho de Segurança, onde o critério é o poderio militar, e o seu uso em intervenções em favor dos direitos humanos. Este critério é frequentemente expresso em termos do exercício de responsabilidade internacional. Este projeto busca investigar e problematizar essa associação, buscando caminhos para as potências emergentes — Brasil, Índia e, para controlar o efeito da dinâmica Norte-Sul, Alemanha — satisfazerem os critérios de entrada (e “responsabilidade”) a despeito de não poder (por falta de meios) ou não querer (por tradição normativa e diplomática) usar robustamente a força militar. O principal meio de conectar os pontos fortes dessas potências na área de desenvolvimento e a pressão de agir na área de segurança e por meio do peacebuilding, componente das operações de paz das Nações Unidas que combina ambas as práticas. O tema será abordado através de um enfoque liberal institucionalista que permite não só cumprir lacunas da definição analítica da categoria de potências emergentes, mas também identificar os nichos diplomáticos específicos de cada país na sua busca de perfil internacional. O projeto se baseia em uma metodologia que enfatiza o trabalho de campo nos três Estados indicados, consistindo em entrevistas com tomadores e implementadores de decisão de alto escalão. Prevê a produção de um livro e três artigos em revistas internacionais, e apresentação de paper em congressos internacionais, assim como apresentações em escolas públicas do rio de Janeiro sobre o perfil internacional do Brasil e o papel das operações de paz neste.

O Brasil e o Regime Internacional de Direitos Humanos

Coordenação: Cláudia Francisca Fuentes Julio

O projeto de pesquisa foca no Brasil como um estudo de caso, buscando entender algumas das questões em jogo quando se fala sobre a diplomacia dos direitos humanos. A proposta se dá em duas partes, a primeira determina o grau de compromisso brasileiro com a promoção dos direitos humanos internacionais e a segunda procura identificar as variáveis que explicam o comportamento diplomático do Brasil em prol dos direitos humanos internacionais, com o objetivo de entender quais são os condutores da política do Brasil nesta questão.